sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O Caixão (08 do Lenormand)



Esta é uma das cartas mais polêmicas do baralho Lenormand! Inevitavelmente, muitos acabam a associando com a morte, e de fato, algumas vezes pode sê-la. Entretanto, é fundamental que vejamos o caixão como um objeto e não uma condição
Vocês sabem por que o caixão foi criado? ;) Bem, antigamente, e diga-se de passagem uns 4.000 a.C os sumérios já envolviam seus mortos em cestos de junco. Mas este hábito não foi ao mero acaso. No princípio os mortos eram envoltos em tecidos ou couro e enterrados diretamente na terra; a partir de alguns casos de catalepsia (estado biológico que parece morto - pois os batimentos cardíacos e respiração são quase indetectáveis e os membros ficam rígidos[veja aqui]), os aparentemente mortos e enterrados acordavam e desorientados vagavam; isso deu origem as estórias de zumbis. As pessoas, com medo de que seus mortos voltassem à vida, inventaram uma forma de lacra-los em um receptáculo que impossibilitasse este evento; daí surgem os primeiros caixões. Portanto, no sentido literal, o caixão foi criado para guardar seguro um corpo que não poderia voltar a circular entre os outros.
Praticamente sua criação partia do uso de madeira e pregos para lacrá-lo. Os egípcios, por crença de que o corpo também seria transportado para uma vida seguinte, desenvolveu os sarcófagos de pedra, que serviria também para guardar os tesouros e posses materiais de seu sepultado, e este pudesse levar para a outra vida tudo que conquistou aqui nesta existência. 
O objeto do caixão nada mais é que uma caixa com o objetivo de manter seguro e isolado àquilo que não faz mais parte da natureza propriamente viva. É claro que seu uso destina-se principalmente a um corpo biológico morto; mas muitas vezes também foi usado para outros fins.
É importante salientar que o estado de 'morte' humana jamais foi representado por um objeto - simbolicamente falando, e sim pelo esqueleto humano, e/ou um corpo inerte envolto em ataduras fúnebres. 
Quando vejo o a imagem de um caixão, me remeto automaticamente à morte! Sim. Mas procuro observar nas entrelinhas em que aspecto esta morte se encaixa(sic). Pois hoje consideramos o estado da morte um aspecto também simbólico e não só físico. De qualquer forma, tudo que for colocado dentro de uma caixa sepulcra deve permanecer enterrado e findado. E daí temos a concepção de que a imagem do caixão simboliza o fim total e definitivo do que foi sepultado, sem os possíveis retornos!
A ideia conceitual religiosa e espiritualista da ressurreição é que dá a possibilidade de recomeços pós morte; mas, quem de fato, tem essa certeza?
Temos o hábito de dizer que o caixão representa uma passagem de ciclo, e isso pode ser relevante quando tratamos de uma condição abstrata do consulente, e não física. Porém, a imagem do caixão acompanhada de figuras/cartas que simbolizam uma vida (humana, flora e fauna) pode sim ser o indício de uma preparação para o fim - propriamente dito: a morte! Cabe ao interprete ter a sutiliza e observação clara de combinações que possam o levar a esta conclusão; porque se não, o caixão não passará de um mero objeto, ainda em uma loja, esperando algo a ser sepultado.
O interessante no caixão do lenormand é que sempre se encontra fechado, não vemos o que há lá dentro; e isso nos dá margem a uma série de especulações e faz com que exploremos nossas habilidades fantasiosas em atribuir a este objeto qualquer função que não seja só e simplesmente para fins de sepultar nossos mortos. Este caixão pode sepultar: problemas/soluções, situações/condições, físico/abstrato, bem/mal, bens materiais/bens emocionais, etc.
Uma coisa é certa: seja lá o que for para dentro do caixão deve ser sepultado, esquecido, e não voltará a nós!

Para refletir:

Já decidiu o que não serve mais para sua vida?
Está preparado emocionalmente para ver o que há dentro do caixão?
Tem consciência de que o que se sepulta não pode ser exumado?

Um bom dia de Vida para ti, e de sepultamento para seus males.

Nenhum comentário:

Postar um comentário