quarta-feira, 5 de novembro de 2014

O Anel (25 do Lenormand)



União, associação, comprometimento, casamento, compromissos, herança, dote, vaidade, ostentação, ou um simples adorno. Algumas palavras a que nos remete este objeto.
O anel em si, na mais crua interpretação, praticamente representa um adorno; nem todo anel pode representar união. A não ser que se trate de uma aliança de compromisso. Como geralmente vemos na carta do Lenormand um anel com uma joia encravada, mudamos nosso conceito a algo de valor; e aí exploramos os aspectos emocionais e materiais.
Estar de posse de uma joia e apresentá-la, é uma forma de mostrar aos outros que fomos homenageados, cortejados, agraciados e isso nos dá uma sensação de valor próprio muito grande, nos levando a uma elevação de auto estima.
Mas, um detalhe é interessante: Só recebe esta joia, quem de alguma forma merece! Correto? E, quais os critérios desse merecimento? Amor? Lealdade? Realeza? Poder? Herança?...
Eis a grande sacada inculta nesta carta. Quando vemos em uma leitura a presença do anel, é de suma importância enterdermos que há um valor inculto nesta colocação; esse valor pode ser tanto material quanto moral. E implica no oferecimento; não sabemos ao certo que o ganhador do anel irá usá-lo - tudo dependerá do livre arbítrio e aceitação da proposta/ e ou presente. 
Quando já definimos a leitura do anel a algo fadado ao comprometimento de aceitação, estamos condenando o consulente a um propósito que muitas vezes, pode não ser de sua vontade ( como àqueles casamentos arranjados em séculos passados). Por isso é imprescindível que abordemos o aspecto da proposta do que do próprio comprometimento, já pré determinado 'pelo destinooooooo'. [" Olhe! Ele(a) VAI casar com você! ]
Este anel também pode representar um presente ofertado valorizando um esforço e dedicação do consulente em algo, como por exemplo : anéis de formatura.
Este anel também pode representar uma herança de família, deixado ao consulente como joia - leia-se também patrimônio ou legado.
Este anel nos deixa com uma série de interpretações subliminares que me vem à mente quando levo a leitura lúdica; e ai me lembro daqueles anéis que vinham em chicletes como 'brindes' alegrando nossa infância (anel e criança), que pode representar surpresas nos remetendo a felicidades infantis.
 Pode representar uma mera vontade nossa e/ou necessidade de nos ornamentar elevando nossa alto estima. Pode representar uma autoridade instituída a uma determinada pessoa, como os anéis papais e de magistrado.

 E por fim, simplesmente, e não tão incomum, aqueles momentos desesperados de cortejar a dama com um belo solitário, e esta dama, encantada, acaba caindo na teia da vaidade; compromisso que é bom, nada! :( .
Para finalizar ( porque gosto de textos curtos para não cansar a leitura, rsrsrs), vamos lembrar sempre que o anel tem por finalidade presentear alguém com um determinado propósito. Afinal, nada é de graça. Mas, cabe ao presenteado usar sua vontade própria para aceitar ou não esta proposta implícita neste presente.
E para Refletir: 
Onde está seu anel?
Já se adornou com ele hoje?
Já abriu sua caixinha de joia e lembrou do ancestral que lhe presentou?
Ainda está na sua mão esquerda, lembrando que dedicou seu amor a outrem? Ou ainda está esperando? Ou retirou momentaneamente se descomprometendo?
E se não tem anel, trate de passar em uma loja e compre um para si. Se presentei. Se comprometa com seu amor próprio. Se orne e eleve sua alta estima. Não importa o valor material e sim o que ele representará para ti, nem que seja um belíssimo anel artesanal, feito de casca de coco.

Se comprometa com um Bom dia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário