sexta-feira, 21 de novembro de 2014

A Criança (13 do Lenormand)



Uma carta aprazível para muitos. Mas que também engloba uma série de significados. Vamos perceber que esta carta retrata uma fase em específico do ser humano - sua infância! E como tal, não se trata de um mero 'bebezinho' - desprotegido, indefeso, mudo, e carente de atenção e cuidados especiais.
A Criança do lenormand sempre é encontrada sendo retratada no momento de lazer, geralmente brincando ou passeando em meios as flores e jardins.  Ela está sempre sozinha, sem o acompanhamento de seus genitores. E este aspecto é extremamente relevante na sua interpretação.
A 13, que pode ser o descendente da 28 e 29, é uma carta que se encaixa perfeitamente em quase todos os aspectos de uma leitura, haja vista se tratar de uma 'natureza humana' ou época.
A carta da criança nos remete não só a um simbolismo de descontração, infantilidade, alegria, leveza; mas também a um processo de amadurecimento necessário. Uma fase de aprendizado importante no qual nos tornaremos 28 e 29 bem sucedidos - em todos aspectos.
Se esta criança não for bem educada e disciplinada, com toda certeza, se tornará um ser humano repugnável. 
A composição da carta, como um todo, nos apresenta uma criança bem cuidada, fisicamente; arrumadinha, lindinha, e agradável. Mas sabemos que nem toda fase infantil é fácil de ser controlada. Hoje em dia, com o advento do Estatuto da Criança e as Leis que protegem-as, nos deparamos com um série de limitações educacionais, que antes era imposta e funcionava muito bem.
A criança de hoje não é a criança de uns 20 anos atrás! Isso é claro e notório. Estarmos a par do processo educacional de nossa criança interior é um eterno aprendizado. Esta criança da carta pode sim, e muitas vezes se faz de maneira simbólica na leitura do consulente.
Para que uma criança seja forte, educada, e tenha uma boa índole, é imprescindível a presença forte dos pais e/ou tutores preparados para tal. Quando lidamos com aspectos comportamentais de uma criança, não podemos esquecer que já fomos uma, e uma forma legal de ver isso é olhar para trás; como foi sua infância? Você foi educada pela 28, 29 ou 22 ?
Quando a criança se apresenta em uma leitura, devemos levar em consideração os aspectos infantis da situação, e como eles podem amadurecer e passar por processos de aprendizado. Muitas vezes o consulente não está suficiente amadurecido para lidar com uma determinada questão, e isso pode ser representado pela carta da criança presente.
Outras vezes, o consulente está levando a questão como divertimento, desprovida de responsabilidades e atenção.
Muitas vezes, a 'criança interior' - que nunca cresce, está bem implícita na atuação momentânea do consulente, e/ou ele(a) mesmo não procura encarar as coisas com seriedade.
Alguns leitores vêem a criança literalmente como os descendentes ativos ou futuros do consulente. Isso pode também ser válido. Eu particularmente não costumo fazer esta associação, pois encontramos descendentes de diversas faixas etárias; costumo fazer essa associação com os Valetes - que são de fato descendentes das Rainhas e Reis, e não conotam necessariamente uma fase cronológica.
É importante também ressaltar que, para aqueles que interpretam literalmente a criança, existem N's crianças: boas, educadas, rebeldes, mal educadas, abandonadas, revoltadas, criminosas, delinquentes, e até as autistas - que vivem e crescem, psicologicamente, em um mundo muito particular, longe de nossa realidade. E todos estes aspectos podem ser agregados a uma leitura a partir de suas combinações.
Coincidentemente ou não, a criança do lenormand é composta também pelo Valete de Espadas, que simbolicamente representa: ousadia, coragem, agilidade, espírito jovial, experiência aprendida com a prática (lembre-se - a criança está sozinha, descobrindo e aprendendo com suas próprias experiências).
Portanto, quando nos depararmos com esta carta, vamos observar detalhadamente onde esta criança está brincando. Temos algumas cartas "Temas" no lenormand, e elas podem ser o indicador de onde esta criança precisa caminhar com suas próprias pernas. Apesar de sermos seres coletivos, a criança nos mostra que, na maioria das vezes, devemos caminhar sozinho, sem esperar muito a ajuda do 'outro'.
O processo de amadurecimento e crescimento de cada criança é único! Cada uma tem seus instrumentos, meios, e tempo. E a própria natureza nos faz desenvolver no tempo certo, seja por simples acompanhamento cronológico ou pelas experiências dolorosas - pois é muito mais fácil aprender com a dor, do que com o amor.

E nossas reflexões:

Como anda seu crescimento? Está se nutrindo de coisas sadias ou contaminadas?
Controla sua criança interior? Para tudo há um tempo e local!

Pequeno Príncipe

Nenhum comentário:

Postar um comentário