segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A Arvore




A árvore sempre será sinal de bons auspícios.

Fonte de vida para diversas espécies; seja com seus frutos, suas propriedades medicinais, sua fotossíntese, sua sombra... e em tempos remotos um lugar de proteção contra os predadores.

A Árvore é um dos bens mais estimados da natureza. Quando não semeada propositalmente, a natureza dá um jeito de fazê-la por meios de pássaros, ventos, excrementos animais. etc.

Na cartomancia ela está presente direta ou indiretamente: no baralho Lenormand em sua carta 5 (a árvore), no Tarô em sua carta 12 (pendurado) e nos naipes, em "paus".

Na cultura Rom, sempre que se tinha uma noticia de gravidez na família, a avó plantava uma semente e cuidava zelosamente de sua germinação e crescimento até a criança completar a idade de 13 anos. Essa árvore era constantemente limpa e regada como a representação simbólica, quiçá mágica, dos cuidados à saúde da criança.

A "figura" da árvore está presente como protagonista até nas mais remotas histórias, como por exemplo da Bíblia - a árvore do conhecimento.

Fico a me perguntar: até que ponto vai a importância desse Ser entre nós? Será que existe algo "além", que ainda não percebemos? Já se perguntaram: Por que me sinto tão bem entre as árvores, por exemplo, em uma floresta?

Voltando ao Lenormand, essa carta é uma das mais importantes a serem analisadas em um lançamento; ela irá indicar a própria vida do consulente diante a situação apresentada. Geralmente a associo a própria saúde do consulente, seja ela mental ou física.

Essa carta pode está direta e indiretamente ligada a algumas outras cartas do baralho, e com essas pequenas observações, podemos ampliar nossa interpretação nas leituras.

Ao Cavalheiro (01) - como local de descanso diante uma longa cavalgada.
Ao Trevo (02) - como base para sua proliferação.
Ao Navio (03) - como matéria prima para sua construção; ou a queima para combustão (em navios a vapor).
A Casa (04) - como matéria prima para construção; ou puro ornamento.
As Nuvens (06) - formadas a partir da condensação.
A Serpente (07) - habitat e esconderijo de algumas.
O caixão (08) - matéria prima.
As Flores (09) - quando florescem.
A foice (10) - matéria prima para a haste que sustenta a lâmina.
O Chicote (11) - matéria prima utilizando seus cipós ou raízes.
Os Pássaros (12) - Como local para a construção dos ninhos.
A Criança (13) - Local para diversão - balanços e gangorras.
A raposa (14) - Como esconderijo.
O Urso (15) - Como fonte de prazer - Algumas espécies de ursos se esfregam em arvores para se coçar.
A Cegonha (17) - Construção de ninhos.
O cão (18) - Instrumento de demarcação territorial.
A Torre (19) - Os primeiros pontos de observação e proteção de fortalezas foram em árvores altas.
O Jardim (20) - Fornece sombra e frescor.
A Montanha (21) - Árvores em seu sopé adiam seu processo de erosão.
Os caminhos (22) - Sinalizadores ou marco de referência.
Os ratos (23) - Fuga de predadores; fonte de alimento.
O Coração (24 - Causa tranquilidade e bem estar.
O Anel (25) - Alguns casais tem hábitos de entalhar suas relações em seus troncos.
O livro (26) - Matéria prima do papel.
O Envelope (27) - resina usada para colar selos e selar o envelope.
Homem e Mulher (28 e 29 ) - fonte de alimento, sombra, descanso, lazer e diversão.
Os Lírios (30) - se tornam mais resistentes quando plantados aos pés de uma árvore.
A Chave (33) - Os primeiros instrumentos de abertura e fechadura de trancas eram de madeira.
Os Peixes (34) - A vida nasce nas raízes das árvores mangais.
A Âncora (35) - As primeiras embarcações fenícias eram "ancoradas" em árvores.
A Cruz (36) - Matéria prima original.

Observem que os luminares (Sol, Estrela e Lua) ficaram de fora, porque interagem de maneira inversa: eles influenciam a germinação, crescimento e morte das árvores; fazem parte de sua manutenção.

Luqiam Osahar (28-10-13)

Nenhum comentário:

Postar um comentário