segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Okutá Orixá



"Kosi okutá, kosi Orixá". Sem Okutá (também conhecido como otá), não "há" orixá. Okutá é a pedra onde ficará representada a energia do Orixá. Essa pedra deve ser obtida diretamente na natureza, na maioria das vezes em rios ou suas proximidades. A água, como elemento primordial da vida, deve estar presente ou em contato com o Otá.
O otá deverá ser levado ao local sagrado de axé. dentro do "quarto de santo" e descansar aos pés do Orixá regente da casa; Ifá dirá, através do Orixá a ser preparado, qual o melhor otá para representá-lo. Este otá será "temperado", com substâncias, rezas e ervas litúrgicas, e então preparado para receber o axé do Orixá.
Depois de preparado, deverá repousar no Igbá Orixá, um recipiente que servirá de altar sagrado do orixá.
É comum vermos em comércio a venda de otás; eu, particularmente, acredito que, o ato de ir a natureza e "solicitar" esse objeto sagrado, seja muito mais interessante do que adquiri-lo de forma comercial em ambientes onde circulam muitas energias; sem levar em consideração a questão da dúvida: Este otá foi mesmo extraído na natureza pura? Será que não veio de destroços e entulhos? Será que as águas da qual foi retirada é limpa e pura? Questionamentos que devem ser levados em consideração.
O Otá é a representação mais importante do Orixá. Outros objetos podem ser acrescentados ao Igbá orixá, dependendo do caminho por onde for consagrado a divindade.
Lembrando que, nem todos orixás recebem otá; há algumas divindades africanas que são "assentadas" diretamente na natureza, ou em algum casos raros, seus objetos de vida são madeira, ossos, folhas secas, minério de ferro, animais vivos, etc.


O Igbá Orixá se torna então uma "casa" para aquele orixá. Muitos adornam esse Igbá com ferramentas e atributos do orixá residente; o que muitas vezes dá "psicologicamente" mais vida a imagem do Igbá, ligando-o assim de maneira mais individual e peculiar a o dedicado/neófito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário