quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Magia Rúnica I parte




Entramos no segundo Aett (grupo de oito) runas; neste momento a sociedade rúnica se depara com o plano natural - elementos, natureza, ciclos sazonais etc. então chega a hora de aprender como lidar com a magia, a manipulação dos símbolos rúnicos para as evocações elementais. Eu costumo personificar os símbolos, denominando-os de "gênios".
Na magia rúnica a composição de símbolos e quantitativos deles são extremamente importante; alguns exemplos de magia rúnica está representada nos artefatos de guerra e utensílios domésticos ou litúrgicos; e assim foi possível chegar mais ou menos ao mecanismo utilizado na sociedade rúnica. Sabe-se por exemplo que:
Combinação de 2 runas evoca elementais.
Combinação de 3 runas (chamada de evocação menor) era utilizada para abrir portais.
Combinação de 4 runas era utilizada para proteção física.
Combinação de 5 runas (chamada de evocação maior) era utilizada para controlar elementais em beneficio próprio.
Combinação de 6 runas era utilizada para maldições.
Combinação de 7 runas era utilizada para bençãos e desfazer maldições.
Combinação de 8 runas (chamada de evocação superior) era utilizada para adentrar os sonhos e pensamentos de algum ser - humano ou animal.
Combinação de 9 runas só era utilizada para comunicação com os deuses, ou selar os túmulos para que os espíritos não retornasse.

Toda magia rúnica segue uma pratica cerimonial, que consiste em :

Preparo do ambiente.
Preparo da goiva e formão.
Escolha do material (madeira, osso, couro ou pedra)
Preparo do fogo a base de enxofre.
preparo do líquido evocador ( fluidos humanos) - a depender do propósito.
Escolha de lunação e hora.

Toda magia rúnica deve se proceder ao ar livre, o evocador tem que se encontrar literalmente entre o Céu e a Terra.

Por hoje é só (rsrsrs), depois irei postando o uso das runas e exemplificando-as em determinadas evocações mágicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário