segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Runa THURISAZ

THURISAZ / THIURTH / THORN / TOURS

“byth thearle scearp, ...thegna gehwylcum
Anfeng ys yfyl,...ungemetun rethe
Manna gehwylcum the him mid resteth”

O espinho é muito afiado, uma coisa má
Para se agarrar, extremamente horrível
Para qualquer homem que descanse entre ele.




Mudando do maciço auroque, o próximo verso descreve o espinho, algo muito pequeno, sem nenhum poder de atacar, e que pode passar despercebido e ainda causar a um homem a mais desagradável experiência. O espinho simboliza a grande quantidade de pequenos aborrecimentos que a vida pode trazer. Além desse sentido simbólico, o verso provê uma imagem do ambiente físico. A vida era desconfortável fora dos pequenos pedaços de terra cultivadas e das salas iluminadas pelo fogo.

Por todo o poema, refúgios de luz, calor e festança são cercados de todos os lados por uma grande sensação de desconforto dentro dos quais é melhor se aventurar com cuidado.

Em thurisaz, a forma da runa assemelha-se a do objeto que ela descreve. A palavra “espinho” permaneceu inalterada. O símbolo, que sugere um confronto árduo, mas não perigosos, pode ter sido tão adequadamente aplicável ao ponto de nunca ter havido nenhuma pressão moral, religiosa ou psicológica para interferir nele. Porem deve ser dito que tanto nos poemas rúnicos islandeses, como nos noruegueses, essa runa tornou “thurs” (gigante), com implicações fálicas, um ponto para se ter em mente quando se interpreta o significado de thurisaz.

Na leitura divinatória pode significar :

Plano material – cautela, esperar o momento propicio, recuar.
Plano abstrato – preocupação, má intenção, inveja.
Plano sentimental – relação desgastada, masoquismo, libido enfraquecida.
Plano da saúde – dores, imobilidade, pequenas cirurgias, ficar atento aos sinais ( procurar orientação médica ).
Plano espiritual – fanatismo, comodidade, falsos dogmas, perda de energia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário