domingo, 25 de setembro de 2011

A Importância do Dualismo na Criação

Tudo que conhecemos - da menor partícula ao maior dos astros - é mantido em equilibro por uma Lei de natureza dual; sem estes extremos polarizados, não haveria a criação, não haveria Universo [ Uni - verso , os "versos" expressados de maneira única].
Na pura realidade não há diferença entre : macho e fêmea, bem e mal, par e impar, negativo e positivo, ativo e passivo, sim e não ..., tudo não passa de polaridades de uma única energia.
Nos textos antigos do Egito, Shu (ar) e Tefnut (umidade) são citados como os ancestrais de todos os neteru (deuses), que geraram todos os seres do Universo.
A dualidade também pode ser encontrada na nossa percepção do universo. Parece que há basicamente dois aspectos: o físico - que podemos sentir, e o metafisico - que não vemos nem ouvimos; não porque não exista, mas, por que sua frequência está abaixo daquela que podemos perceber. Não há distinção entre um estado metafisico e físico, a ciência hoje já pode afirmar, a partir da teoria da relatividade que a matéria é uma forma de energia, uma coagulação ou condensação de energia.
O Universo é uma hierarquia destas energias, em diferentes ordens e densidade. Para alguns, os sentidos estão mais familiarizados com a matéria - energia mais densa.

A fim de que, nós, como buscadores da evolução, encontre esta Essência Divina, devemos progredir na sequencia reversa da criação. O progresso da alma ao londo da senda é o movimento ascendente da esfera do mundo manifestado e criado por meio da organização destas peças energéticas.
Quando os Egípcios Antigos buscam unir os aspectos duais do mundo manifestados, eles retratavam como a união das "duas terras", que eram representados por Heru (Horus) - o coração, e Djeheuti (Thoth) - a língua.

Harmonizar os opostos é amarrar as polaridades equilibradas numa forma unica. Tudo no antigo Egito era conduzido - dentro dos mecanismos espirituais - para que houvesse esta união. Quando os opostos são equilibrados por meio do intelecto e intuição, nós nos tornamos completos, transcendemos os laços da humanidade comum e  nos tornamos tremendamente poderosos. Unir, é descobrir que os opostos são lados da mesma moeda. Um exemplo é conseguir encontrar os aspectos masculinos e femininos dentro de nós e aprender a harmoniza-los.
Observem:
* Sagrado e profano - "colhe-se o que planta". No sentido profano é o plantio. No sentido sagrado a colheita de bons frutos. Não há diferença entre as interpretação sagradas e profanas.
*Físico e metafisico - ver com os olhos um objeto, e sentir o significado da mesma coisa com o intelecto e intuição. [ Mecanismo que utilizamos com as imagens do Tarô ]
*Interior e exterior - perceber que nós humanos somos o Universo em miniatura, somos o microcosmo. As mesmas partículas que compõe o Universo estão contidas em nós.

Portanto, vamos procurar conduzir nossa vida com a união de todas as polaridades contidas a nossa volta. vamos unir estas "duas terras", e fazer disso uma ferramenta para nossa evolução. E assim, desenvolver atributos de "super heróis", ou até mesmo, manifestar o Deu@s dentro de cada um.

F.[Mística Egípcia- Moustafa Gadalla]

Nenhum comentário:

Postar um comentário